Pneumonia: Prevenção, Sintomas e Tratamento da Pneumonia

PneumoniaPneumonia

A Pneumonia é uma infecção em um ou ambos os pulmões que pode ser causada por vários tipos diferentes de microrganismos, como bactérias, vírus e fungos. Ela entretanto não é uma única e simples doença, podendo ter dezenas de variações dependendo de sua causa. Entender a causa dela é extremamente importante para que seja desenvolvido um tipo de tratamento de acordo com o que acarretou a aparição do quadro infeccioso.

A maior parte dos casos de pneumonia é, entretanto, causada pela ação de vírus, principalmente o vírus da gripe. Outros tipos menos comuns são o vírus sincicial respiratório, vários tipos de rinovírus, herpes simplex e o vírus da SARS, dentre outros menos comuns.

Sintomas da Pneumonia:

Na maior parte dos casos, o nariz e os dutos respiratórios filtram germes do ar que respiramos através de sistemas de pelos e mucosas dessa região. Isso mantém seus pulmões livres da ação de infecções, mas a atividade do sistema imunológico é essencial para que os “0.01%” dos casos em que microrganismos conseguem passar pelas barreiras das paredes dos vasos respiratórios sejam detidos.
Isso geralmente acontece exatamente pelo sistema imunológico estar fraco, devido a altos níveis de estresse, má alimentação ou maus hábitos de vida – sono impróprio ou insuficiente e abuso de drogas, por exemplo, e mesmo por complicações devido a AIDS em pessoas soropositivas. A presença muito concentrada de vírus ou outros tipos de microrganismos de um híbrido muito resistente também são um fator chave para contrair uma pneumonia. O tabagismo também é um fator que complica o funcionamento próprio dos sistemas de defesa do aparelho respiratório por comprometer a mucosa das vias respiratórias.

Uma vez que o vírus consegue atacar os pulmões, os alvéolos sofrerão a infecção por serem a porta de entrada entre o ar e as vias sanguíneas. Os mesmos ficarão inchados com pus, o que irá resultar em dores na região pulmonar, tosse, dificuldade para respirar, calafrios e febre.
Como os alvéolos ficam comprometidos com a infecção localizada, o transporte de oxigênio para o resto do corpo é afetado em níveis que irão causar mal estar, fadiga extrema e insuficiências de vários tipos pela ausência do oxigênio, essencial para a respiração celular em todo o corpo. Por esse motivo a pneumonia pode levar a morte se não for tratada.

Prevenção da Pneumonia:

O melhor modo de evitar uma pneumonia é, por exemplo, manter um estilo de vida saudável, evitar o tabagismo e principalmente, tomar cuidado com gripes e resfriados, de modo que esses sejam tratados e o corpo curado completamente.

Se expor ao frio ou a situações de estresse ao corpo no final de uma gripe são casos muito comuns de evolução da doença simples para uma pneumonia.

Manter o sistema imunológico forte também é algo que evita na maior parte dos casos o aparecimento da doença, portanto, uma boa alimentação e sono de qualidade são sempre essenciais para que o mesmo funcione bem.

Diagnóstico da Pneumonia:

Como ela não é uma doença causada por agente singular, a pneumonia pode ter um processo de diagnose mais desafiador para os especialistas. Existem basicamente 5 tipos de pneumonias diferentes e alguns deles podem mimetizar ou se assemelhar ao outro, tornando a precisão do diagnóstico essencial para que o tratamento correto seja feito.
As pneumonias virais costumam ser as mais severas, mas dentre elas existe, por exemplo, a pneumonia de tuberculose, muito grave e letal, que se não diferenciada e tratada rapidamente pode tornar a doença fatal.
Do mesmo modo, pneumonias causadas pelo vírus influenza (H1N1), por exemplo, baixam as defesas dos pulmões e podem rapidamente permitir a infecção oportunista de bactérias, desenvolvendo-se dois tipos de pneumonias simultâneas.
As pneumonias bacterianas costumam ser as mais simples de tratar e menos letais, mas quando aparecem em quadros críticos como no das infecções do H1N1, se tornam problemáticas.
As diferenças entre um tipo e outra são sutis, como, por exemplo, a disseminação da inflamação por ambos os pulmões (viral), da infecção mais concentrada nos alvéolos de um ou outro pulmão (bactéria). Exames laboratoriais para detectar qual é o antígeno agente da infeção serão feitos para o tratamento adequado ser aplicado. Exames de Raio-X também serão empregados para verificar o quadro inflamatório (se concentrado ou espalhado pelos dois pulmões).

Especialista e Tratamento de Pneumonia:

Tratamentos e diagnósticos da doença são desempenhados por pneumologistas. O próprio nome da doença deriva da pneumologia, o estudo dos pulmões. Quaisquer complicações e doenças que afetem de forma crônica as vias respiratórias devem ser diretamente tratadas com um especialista da área.O tratamento sempre dependerá do agente causador, assim sendo, antibióticos, antivirais e antimicóticos serão administrados conforme o tipo de microrganismo. Anti-inflamatórios e medicamentos para fortalecer o sistema imunológico podem ser receitados em conjunto.A maior parte dos casos de pneumonia, vale lembrar, necessita internação por no mínimo dois dias para que o quadro de evolução da doença possa ser monitorado e medidas preventivas possam ser aplicadas imediatamente.

Quando a pneumonia recebe tratamentos leves, as chances de evoluir para casos complicados é muito grande e a internação tardia é o que pode levar a morte.Em casos inclusive em que a inflamação já está comprometendo outras funções do corpo devido a baixa quantidade de oxigênio, o paciente pode ser entubado e necessitar da respiração com auxílio de aparelhos.
Com a aplicação correta dos medicamentos e internação, a pneumonia é combatida depois de cerca de 1 ou 2 semanas, dependendo da gravidade do caso.