Bula do Plenacor 50 mg (Anti hipertensivo)

Plenacor-50-mgBula do PLENACOR 50 mg:
atenolol

 

Forma farmacêutica e apresentação
PLENACOR 25 mg – Comprimidos
Embalagem contendo 28 comprimidos.
PLENACOR 50 mg – Comprimidos
Embalagem contendo 28 comprimidos.
PLENACOR 100 mg – Comprimidos
Embalagem contendo 28 comprimidos.

 

Uso oral – ADULTO

 

Composição
PLENACOR 25 mg
Cada comprimido contém:
atenolol…………………………………………………………………..25 mg
Excipientes: amido de milho, carboximetilamido, celulose microcristalina, docusato sódico, dióxido de
silício, talco, estearato de magnésio.

 

PLENACOR 50 mg
Cada comprimido contém:
atenolol…………………………………………………………………..50 mg
Excipientes: amido de milho, carboximetilamido, celulose microcristalina, docusato sódico, dióxido de
silício, talco, estearato de magnésio.

 

PLENACOR 100 mg
Cada comprimido contém:
atenolol…………………………………………………………………100 mg
Excipientes: amido de milho, carboximetilamido, celulose microcristalina, docusato sódico, dióxido de
silício, talco, estearato de magnésio.

 

INFORMAÇÕES AO PACIENTE
Ação esperada do medicamento
Para tratamento da pressão alta (hipertensão), da angina pectoris, das arritmias cardíacas e do infarto do
miocárdio.

 

Cuidados de armazenamento
Conservar em temperatura ambiente (temperatura entre 15ºC e 30ºC). Proteger da luz e umidade.

 

Prazo de validade
24 meses a partir da data de fabricação impressa no rótulo.
Gravidez e lactação
Informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao
médico se está amamentando.

 

Cuidados de administração
Os comprimidos devem ser engolidos inteiros, sem mastigar, com um pouco de líquido. Siga as orientações
do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

 

Interrupção do tratamento
Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

 

Reações adversas
Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis.

 

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

 

Ingestão concomitante com outras substâncias
Como a absorção do produto não é afetada pela ingestão de alimentos, os comprimidos podem ser
administrados antes, durante ou após as refeições.

 

Contra-indicações e precauções
O produto é contra-indicado para pessoas com alergia a qualquer uma das substâncias que compõem o
produto, ou que tenham tido reações a outros produtos com a mesma composição. Informe seu médico
sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.

 

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA
SAÚDE.

 

Informação técnica
Características
O atenolol é um betabloqueador cardiosseletivo beta-1 (isto é, age preferencialmente sobre os receptores
beta-adrenérgicos beta-1 do coração), que não possui atividade simpaticomimética intrínseca nem atividade
estabilizadora de membrana. Estudos em seres humanos indicam que apenas quantidades desprezíveis de
atenolol cruzam a barreira hemoliquórica. Como ocorre com outras drogas betabloqueadoras, seu modo de
ação no tratamento da hipertensão não é claro. É provável que a ação de atenolol na redução da frequência
e contratilidade cardíacas faça com que ele se mostre eficaz na eliminação ou redução de sintomas de
pacientes com angina. A absorção do atenolol após a administração oral é consistente mas incompleta
(aproximadamente 40-50%), com concentrações plasmáticas de pico que ocorrem 2-4 horas após a
administração da dose. Não há metabolismo hepático significativo de atenolol e mais de 90% da quantidade
absorvida alcançam a circulação sistêmica inalterados. A meia-vida plasmática é de mais ou menos 6 horas,
mas pode se elevar na presença de comprometimento renal grave, uma vez que os rins são a principal via
de eliminação. O atenolol penetra muito pouco nos tecidos devido à sua baixa solubilidade lipídica, e sua
concentração no cérebro é baixa. Sua ligação às proteínas plasmáticas é baixa (aproximadamente 3%).

 

Indicações
Controle da hipertensão arterial; controle da angina pectoris; controle de arritmias cardíacas; tratamento do
infarto do miocárdio.

 

Contra-indicações
Atenolol não deve ser utilizado na presença de bloqueio cardíaco de segundo ou terceiro grau. Atenolol não
deve ser administrado a pacientes com choque cardiogênico ou com reconhecida hipersensibilidade à
substancia ativa ou a qualquer um dos excipientes.

 

Precauções e advertências
Deve-se tomar cuidado especial com pacientes cuja reserva cardíaca esteja diminuída. Os
betabloqueadores devem ser evitados na insuficiência cardíaca manifesta, entretanto podem ser usados em
pacientes cujos sinais de insuficiência tenham sido controlados. Uma das ações farmacológicas de atenolol
é reduzir a freqüência cardíaca. Nos raros casos em que os sintomas possam ser atribuíveis à baixa
freqüência cardíaca, a dose pode ser reduzida. Atenolol modifica a taquicardia da hipoglicemia. Atenolol
deve ser usado com cuidado em pacientes com doença obstrutiva crônica das vias respiratórias. Entretanto
pode ocorrer ocasionalmente certo aumento na resistência das vias respiratórias em pacientes asmáticos.
Normalmente, este quadro pode ser revertido através da administração das doses comumente usadas de
broncodilatadores, tais como o salbutamol ou a isoprenalina. Assim como ocorre com outros
betabloqueadores, em pacientes com doença cardíaca isquêmica, o tratamento não deve ser descontinuado
abruptamente. Atenolol pode agravar os distúrbios de circulação periférica arterial.

 

Gravidez e lactação: atenolol atravessa a barreira placentária e aparece no sangue do cordão umbilical. Há
acumulação significativa de atenolol no leite materno. Não foram realizados estudos sobre o uso de atenolol
no primeiro trimestre e a possibilidade de danos fetais não pode ser excluída. Atenolol tem sido utilizado sob
supervisão cuidadosa para o tratamento de hipertensão no terceiro trimestre. A administração de atenolol a
gestantes por períodos mais longos para o controle da hipertensão leve a moderada foi associada a retardo
do crescimento intra uterino. O uso de atenolol em mulheres que estejam grávidas, amamentando ou que
possam engravidar, requer que os benefícios antecipados sejam avaliados contra os possíveis riscos,
particularmente no primeiro e segundo trimestres de gravidez.

 

Efeito sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas: o uso de atenolol provavelmente não
resultará em comprometimento da capacidade dos pacientes em dirigir veículos ou operar máquinas.Interações medicamentosas
Deve-se tomar cuidado ao se prescrever um betabloqueador juntamente com agentes antiarrítmicos Classe
1, tal como a disopiramida. Os betabloqueadores podem exacerbar a hipertensão de rebote que pode
ocorrer após a retirada da clonidina. Se as duas drogas tiverem que ser administradas concomitantemente,
o betabloqueador deve ser retirado alguns dias antes da retirada da clonidina. Ao se transferir pacientes em
tratamento com clonidina para drogas betabloqueadoras, a introdução do betabloqueador deve ser feita
alguns dias após a retirada da clonidina.

 

Anestésicos: Não é aconselhável a suspensão de drogas betabloqueadoras antes de uma cirurgia na
maior parte dos pacientes. Se for decidido suspender a administração de atenolol, a última dose deve ser
administrada 48 horas antes do início da anestesia. Entretanto deve-se tomar cuidado ao se utilizar
anestésicos com atenolol. O anestesista deve ser informado e optar por um agente com a menor atividade
inotrópica negativa possível. Os pacientes com história de reação anafilática a vários alérgenos podem não
responder às doses usuais de adrenalina utilizadas no tratamento de tais reações. O uso combinado de
betabloqueadores ou bloqueadores do canal de cálcio com efeitos inotrópicos negativos, como, por
exemplo, verapamil e diltiazem, pode levar a um aumento destes efeitos, particularmente em pacientes com
função ventricular comprometida e (ou) anormalidades de condução SA ou AV. Isto pode resultar em
hipotensão grave, bradicardia e insuficiência cardíaca. Nenhuma das drogas deve ser administrada
intravenosamente antes da descontinuação da outra por 48 horas.

 

Reações adversas
Em estudos clínicos, os efeitos colaterais relatados foram normalmente atribuíveis às ações farmacológicas
de atenolol e incluem frio nas extremidades, fadiga, distúrbios gastrintestinais e, em casos isolados,
bradicardia. Raramente foram relatados distúrbios do sono do tipo observado com outras drogas
betabloqueadoras, assim como alopecia, trombocitopenia, púrpura, reações cutâneas semelhantes à
psoríase, exacerbação da psoríase, precipitação de bloqueio cardíaco em pacientes suscetíveis, distúrbios
visuais, psicoses, alucinações e hipotensão postural, que pode estar associada a síncope. Reações
adversas ocasionais incluem piora da insuficiência cardíaca, cefaléia, alteração do humor e vertigem. Há
relatos de rash cutâneo e (ou) olhos secos associados ao uso de drogas betabloqueadoras. A incidência
relatada é pequena e, na maioria dos casos, os sintomas desapareceram quando o tratamento foi
suspenso. Deve-se considerar a possibilidade de descontinuação da droga se qualquer reação não for
explicável por outras causas.

 

Posologia e modo de usar
Adultos
Hipertensão: A maioria dos pacientes responde a uma dose única oral diária de 100 mg. O efeito pleno
será alcançado após uma ou duas semanas. Pode-se conseguir uma redução adicional na pressão arterial
combinando-se atenolol com outros agentes anti-hipertensivos. Por exemplo, a administração concomitante
de atenolol com um diurético, tal como a clortalidona, propicia um tratamento anti-hipertensivo altamente
eficaz.
Angina: a maioria dos pacientes com angina pectoris responde a uma dose diária de 100 mg administrados
oralmente como dose única ou fracionada. É improvável que se obtenha benefício adicional com o aumento
da dose.
Arritmias: certas arritmias podem ser controladas com uma dose oral adequada de 50-100 mg diários,
administrados em dose única.
Infarto do miocárdio: para pacientes que se apresentarem alguns dias após sofrerem um infarto agudo do
miocárdio, recomenda-se uma dose oral de 100 mg diários de atenolol para profilaxia a longo prazo do
infarto do miocárdio.
Crianças: Não há experiência pediátrica com atenolol e, por esta razão, não é recomendado para uso em
crianças.
Insuficiência renal: Uma vez que atenolol é excretado por via renal, a dose deve ser ajustada nos casos de
comprometimento grave da função renal. Não ocorre acúmulo significativo de atenolol em pacientes que
tenham um clearance de creatinina superior a 35 ml/min/1,73m2 (a faixa normal é de 100-150
ml/min/1,73m2). Para pacientes com clearance de creatinina de 15-35 ml/min/1,73 m2 (equivalente à
creatinina sérica de 300-600 mcmol/litro ) a dose oral deve ser de 50 mg diários. Para pacientes com
clearance de creatinina menor que 15 ml/min/1,73m2 (equivalente à creatinina sérica > 600 mcmol/litro) a
dose oral deve ser de 25 mg diários ou 50 mg em dias alternados. Os pacientes que se submetem a
hemodiálise devem receber 50 mg, por via oral, após cada diálise; isto deve ser feito sob supervisãohospitalar, uma vez que podem ocorrer acentuadas quedas na pressão arterial.

 

Superdosagem
Bradicardia excessiva pode ser controlada com 1-2 mg de atropina por via intravenosa. Se necessário, pode
ser feita a administração de uma dose em bolus de 10 mg de glucagon por via intravenosa. Se necessário,
esse procedimento pode ser repetido ou seguido de uma infusão intravenosa de 1-10 mg/hora de glucagon,
dependendo da resposta obtida. Se não houver resposta ao glucagon, ou se o mesmo não estiver
disponível, pode-se administrar um estimulante betaadrenérgico, tal como a dobutamina (2,5 mcg a 10 mcg/
kg/min, IV) ou isoprenalina (10 a 25 mcg, velocidade de infusão não superior a 5 mcg/min). Dependendo da
quantidade da superdose ingerida, para atingir a resposta desejada podem ser necessárias doses maiores
de dobutamina ou isoprenalina, de acordo com as condições clínicas do paciente. Há possibilidade de
ocorrer hipotensão após o uso de agonistas beta-adrenoceptores, mas isto será reduzido pelo uso da
dobutamina, um agente mais seletivo

 

Pacientes idosos
As doses podem ser reduzidas, especialmente em pacientes com função renal comprometida .

 

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.
– Nº do lote, datas de fabricação e de validade: vide embalagem externa.
Reg. MS.1.5626.0012.
Farmacêutico Responsável:
Patrícia Machado de Campos
CRF-RJ nº 9817.
Fabricado por: LABORATÓRIOS BAGÓ S.A.
Calle 4 nº 1429 (B1904CIA) – La Plata – Pcia. de
Buenos Aires – Argentina.
Importado por: LABORATÓRIOS BAGÓ LTDA.
R. Cônego Felipe, 365.
Rio de Janeiro / RJ – CEP. 22.713-010
CNPJ nº 04.748.181/0001-90.
Indústria Brasileira.