Bula do Fulcin (Antifúngico)

FulcinBula do FULCIN:
griseofulvina
500 mg

 

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO
Comprimidos. Embalagem com 20.
USO ADULTO E PEDIÁTRICO

 

COMPOSIÇÃO
Cada comprimido contém:
griseofulvina ……………………………… 500 mg
Excipientes q.s.p. ……………………….. 1 comprimido
Excipientes: amido de milho, carmelose cálcica, estearato de magnésio e povidona.

 

INFORMAÇÕES AO PACIENTE
Ação esperada do medicamento: A melhora da micose na pele deve ser observada após um
mês de tratamento. Em micoses do couro cabeludo, a resposta pode demorar de 6 a 8 semanas,
em micose de unhas, a resposta pode demorar até 6 meses.

 

Cuidados de armazenamento: Conservar em temperatura entre 15°C e 25°C.

 

Prazo de validade: vide cartucho. Não use medicamento com prazo de validade vencido.

 

Gravidez e lactação: FULCIN é contra-indicado durante a gravidez e a lactação. A gravidez
deve ser evitada se um dos parceiros estiver em tratamento com FULCIN. As mulheres não
devem engravidar durante o tratamento e também um mês após o término do mesmo. Homens
devem evitar ter filhos durante o tratamento e seis meses após o término do mesmo. Informe seu
médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao
médico se está amamentando.

 

Cuidados de administração: Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários,
as doses e a duração do tratamento. Tome os comprimidos de preferência após uma das
refeições.

 

Interrupção do tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

 

Reações adversas: Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis. FULCIN
geralmente é bem tolerado. Pode haver o aparecimento de urticária, dor de cabeça, dor de
estômago, tontura, fadiga, sensibilidade à luz, confusão mental e “sapinho”.

 

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

 

 

Ingestão concomitante com outras substâncias: FULCIN potencializa os efeitos do álcool.
Mulheres que estiverem tomando anticoncepcionais durante o tratamento com FULCIN
poderão notar um pequeno sangramento vaginal fora do período menstrual e amenorréia.
Informe seu médico caso esteja tomando ou tenha tomado anticoncepcional oral no mês anterior
ao início do tratamento com FULCIN.

 

Contra-indicações e precauções: FULCIN não deve ser usado por pacientes com alergia à
griseofulvina ou aos demais componentes da fórmula. Informe seu médico sobre qualquer
medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.
Efeitos sobre a capacidade de dirigir autos e operar máquinas: Para alguns pacientes
FULCIN pode afetar a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas. Ocorreram relatos
ocasionais de tontura, confusão mental com comprometimento da coordenação motora e o
aumento dos efeitos do álcool.

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE.

 

INFORMAÇÕES TÉCNICAS
CARACTERÍSTICAS
Propriedades Farmacodinâmicas
A griseofulvina inibe a mitose da célula fúngica através do rompimento da estrutura do fuso
mitótico impedindo a metáfase da divisão celular. A griseofulvina é depositada em graus
variantes nas células precursoras da queratina da pele, cabelos e unhas tornando a queratina
resistente à invasão fúngica. Quando a queratina infectada é liberada, ela é substituída por tecido
saudável.
FULCIN não é efetivo em infecções causadas por Candida albicans (monilia), Aspergilli,
Malassezia furfur (Pitiríase versicolor) e Nocardia sp.
Propriedades Farmacocinéticas
Após a administração oral, a griseofulvina é absorvida principalmente no duodeno. Os picos de
concentração plasmática da droga (aproximadamente 1-2 µg/ml) ocorrem aproximadamente
quatro horas após sua administração. Concentrações de aproximadamente 12-25 µg/g são
mantidas na pele durante administração a longo prazo, enquanto os níveis séricos permanecem
em níveis de 1-2 µg/ml. Quando a droga é descontinuada, ela não é detectável na pele após dois
dias e no plasma, após quatro dias. A droga apresenta uma meia-vida de eliminação de 9-24
horas e é metabolizada no fígado. O principal metabólito é a 6-dimetil-griseofulvina que é
microbiologicamente inativa. Os metabólitos são excretados principalmente na urina, enquanto a
griseofulvina inalterada é excretada principalmente nas fezes. A griseofulvina é também
excretada pela transpiração.

 

Dados de segurança pré-clínica
A griseofulvina pode induzir aneuploidia e atraso na meiose de oócitos em camundongo. Esses
efeitos foram demonstrados 17 horas após a administração oral de altas doses de griseofulvina. A
administração de altas doses de griseofulvina em ratas prenhas foi associada à fetotoxicidade e
deformidades na cauda. Tem sido reportado que a administração a longo prazo de altas doses de
griseofulvina com alimentos induz hepatomas em camundongos e tumores na tireóide em ratos
mas não em hamsters. Os efeitos em camundongos pode estar associado a efeitos específicos da
espécie no metabolismo de porfirina.
Esta possível desruptura pela griseofulvina pode estar associada a anormal segregação da divisão
celular. Estudos de genotoxicidade in vitro e in vivo tem demonstrado que a griseofulvina causa
aberrações cromossômicas estrutural e numericamente, incluindo aneuploidia.

 

INDICAÇÕES
FULCIN é indicado para o tratamento de infecções micóticas (tinhas) da pele, couro cabeludo,
pés (pé de atleta) e unhas (onicomicose), onde a terapia tópica é considerada imprópria ou falha.
FULCIN é efetivo no tratamento dermatofitose causadas por Microsporum canis, Tricofiton
rubrum, Tricofiton verrucosum e Epidermofiton ssp.

 

CONTRA-INDICAÇÕES
FULCIN é contra-indicado para pacientes com porfiria estabelecida, insuficiência
hepatocelular ou lupus eritematoso e patologias associadas.
FULCIN é contra-indicado durante a gravidez e a lactação. As pacientes que fizerem uso
de FULCIN não devem engravidar durante o tratamento, ou dentro de um mês após o
término do mesmo. Caso ocorra gravidez, deve-se procurar aconselhamento genético.

 

PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS
A griseofulvina é capaz de produzir aneuploidia (segregação anormal dos cromossomos
após a divisão celular) em células de mamíferos expostas in vitro e in vivo ao medicamento.
A griseofulvina pode danificar as células do esperma e desta forma, quando o homem fizer
uso de FULCIN ele deve evitar a concepção durante o tratamento ou dentro seis meses
após o término do mesmo.
Não há evidências da segurança da griseofulvina na gravidez. A administração de altas
doses deste fármaco em ratas prenhas foi associada à fetotoxicidade e deformidades na
cauda. Alguns casos de anormalidades fetais humanas foram observadas. Portanto,
mulheres não devem engravidar durante o tratamento ou no período de um mês após o
término do mesmo. Se ocorrer gestação, deve-se procurar um aconselhamento genético.
Relatou-se que a administração de altas doses de griseofulvina a longo prazo na
alimentação induziu o aparecimento de hepatomas em camundongos e tumores na tireóide
de ratos, mas não em hamsters. Os efeitos em camundongos podem ser decorrentes da ação
espécie-específica sobre o metabolismo das porfirinas. O significado clínico destas
descobertas para o homem é desconhecido. Em função destes dados, FULCIN não deve ser
usado profilaticamente.

 

Uso durante a gravidez e lactação
FULCIN é contra-indicado na gravidez. Não existem evidências da segurança da
griseofulvina na gravidez humana (ver item Precauções e Advertência).
Mulheres não devem engravidar durante o tratamento ou no período de um mês após o
término do mesmo. Se ocorrer gestação, deve-se procurar um aconselhamento genético.
Lactação: Não se sabe se a griseofulvina é excretada no leite. A segurança em crianças de
mães que estejam amamentando não foi estabelecida.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
FULCIN pode diminuir a resposta aos anticoagulantes cumarínicos administrados
concomitantemente.
Drogas indutoras de enzimas hepáticas, tais como os barbituratos, podem reduzir a eficácia
do tratamento com FULCIN ao interferir na absorção gastrointestinal da droga.
Sangramento fora do período menstrual, amenorréia e falha na terapia contraceptiva
foram relatados em pacientes que tomavam griseofulvina e esteróides contraceptivos orais.
É aconselhável considerar o uso adicional de precauções contraceptivas durante o
tratamento com FULCIN e também por um período de um mês após o término do mesmo.
Os pacientes devem ser avisados de que houve relatos de aumento dos efeitos do álcool pela
griseofulvina.
A griseofulvina pode elevar falsamente os níveis urinários do ácido vanililmandélico
(VMA).

 

REAÇÕES ADVERSAS
FULCIN geralmente é bem tolerado. Reações de urticária e erupções cutâneas foram
notadas em alguns casos. Têm havido queixas ocasionais de cefaléia e desconforto gástrico
os quais, na maioria dos casos, regrediram durante o tratamento. Casos de tontura, fadiga,
granulocitopenia e leucopenia também foram relatados.
A ocorrência de fotossensibilidade associada ao tratamento com griseofulvina foi
registrada. Houveram também raros relatos de precipitação de lupus eritematoso e
condições associadas, eritema multiforme, necrólise tóxica epidermal e condições
relacionadas, neuropatia periférica, confusão com comprometimento da coordenação e
candidíase oral.

 

POSOLOGIA E MODO DE USAR
Adultos (inclusive pacientes idosos)
A dose usual é de 500 mg diários em dose única ou fracionada, após as refeições. Em condições
graves, até o dobro desta quantidade pode ser administrada, reduzindo-se ao nível mais baixo
quando ocorrer resposta clínica.
Crianças
A dose diária é de 10 mg de griseofulvina por quilograma de peso corpóreo, em dose única ou
fracionada, após as refeições.
O tempo de duração do tratamento depende do tipo de infecção e do tempo necessário para a
substituição normal dos tecidos infectados. Até doze meses podem ser necessários para infecções
recalcitantes.
Para a completa erradicação da infecção, o tratamento com FULCIN deve ser combinado com
medidas gerais de cuidados e higiene, com especial atenção aos locais de infecção.
O uso associado de antimicóticos tópicos pode auxiliar a remoção de fungos.

 

SUPERDOSAGEM
Na ocorrência de superdosagem deve-se administrar tratamento sintomático.
PACIENTES IDOSOS
Vide Posologia.
MS – 1.1618.0013

4Farm. Resp.: Dra. Daniela M. Castanho – CRF-SP nº 19.097
Fabricado por: AstraZeneca do Brasil Ltda.
Rod. Raposo Tavares, km 26,9 – Cotia – SP – CEP 06707-000
CNPJ 60.318.797/0001-00
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Indústria Brasileira
N° do lote, data de fabricação e data de validade: vide cartucho.
Todas as marcas nesta embalagem são propriedade do grupo de empresas AstraZeneca.
CDS 05/04
Maio/06
Logo do SAC: 0800-0145578