Bula do Combiron (Antianêmico)

CombironBula do COMBIRON:
sulfato ferroso
+ associações
Drágeas em blíster de 45
Solução oral em frasco de 120 ml + copo-medida de 10 ml
Solução oral (gotas) em frasco de 30 ml acompanhado de conta-gotas

 

USO ADULTO E PEDIÁTRICO
USO ORAL

 

Composição completa:
cada cada 10 ml cada 1 ml
drágea solução oral solução oral
(gotas)
sulfato ferroso ………………………. 400 mg …….. 260 mg …….. 125 mg
ácido ascórbico ……………………… 100 mg ……… 50 mg ……. 32,5 mg
cloridrato de tiamina…………………… 4 mg ………… – ………… –
nitrato de tiamina ………………………. – ……….. 4 mg …….. 0,75 mg
riboflavina…………………………………. 1 mg ………… – ………… –
riboflavina 5-fosfato sódica ………… – …….. 1,36 mg …….. 1,08 mg
cloridrato de piridoxina………………. 1 mg ………… – …………. –
cianocobalamina ……………………… 25 mcg ……… 25 mcg …………. 3 mcg
nicotinamida ……………………………. 10 mg ………. 10 mg ……….. 10 mg
ácido fólico ……………………………….. 2 mg ………… – …………. –
pantotenato de cálcio ………………… 2 mg ………… – …………. –
ácido pantotênico
(como dexpantenol) ……………………. – ………… 1 mg ………. 4,6 mg

 

Drágeas:
Excipientes: amido, celulose microcristalina, estearato de magnésio,
acetoftalato de polivinila PEG F007, povidona, crospovidona, ácido
esteárico, sacarose, corante vermelho FDC nº. 2, dióxido de silício, goma
acácia, goma laca, óleo de rícino, manitol e talco.

 

Solução oral:
Excipientes: glicerol, propilenoglicol, propilparabeno, sorbitol, ácido cítrico,
sacarose, água, bicarbonato de sódio, citrato de sódio diidratado, aroma
artificial de laranja, metilparabeno e sacarina sódica diidratada .

 

Solução oral (gotas):
Excipientes: propilenoglicol, cloreto de sódio, ácido cítrico, citrato de sódio
diidratado, sacarina sódica diidratada , ciclamato de sódio, metilparabeno,
propilparabeno, sorbitol, glicerol, água, aroma artificial de banana, aroma
artificial de baunilha e glutationa.

 

INFORMAÇÃO AO PACIENTE:
COMBIRON é um medicamento que age de forma a corrigir a anemia ferropriva
e restabelecer os índices normais de armazenamento de ferro corporal.
COMBIRON quando conservado em temperatura ambiente (temperatura
entre 15 e 30°C) e ao abrigo da luz e umidade (drágeas) e ao abrigo da
luz (gotas e solução oral), apresenta uma validade de 24 meses a contar
da data de sua fabricação. NUNCA USE MEDICAMENTO COM O PRAZO
DE VALIDADE VENCIDO. ALÉM DE NÃO OBTER O EFEITO DESEJADO,
PODE PREJUDICAR A SUA SAÚDE.

 

Informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou
após o seu término. Informar ao médico se está amamentando.
COMBIRON é recomendado para suprir as necessidades da mulher nos
estados de gravidez e lactação.
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as
doses e a duração do tratamento.

 

Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

 

Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis.
COMBIRON pode provocar reações gastrintestinais, tais como: náusea, vômito,
dores abdominais, urticária, prurido generalizado, diarréia e/ou constipação.
Cautela e controle na administração em pacientes portadores de diabetis
mellitus, em pacientes com deficiência de ácido fólico e em pacientes portadores
de úlcera péptica e doenças hepáticas são recomendados.

 

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE
DAS CRIANÇAS

 

COMBIRON não deve ser usado concomitantemente com tetraciclina, pois
o sal de ferro diminui a absorção da mesma.
COMBIRON é contra-indicado em pacientes que apresentem hipersensibilidade
a quaisquer dos componentes de sua fórmula.
COMBIRON é contra-indicado em pacientes que apresentem anemia perniciosa
ou megaloblástica.
Como outras preparações orais de ferro, COMBIRON deve ser mantido
fora do alcance das crianças para evitar superdosagem acidental por ferro.
Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando,
antes do início, ou durante o tratamento.
Combiron drágeas e solução oral – Atenção diabéticos: contém açúcar.

 

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO,
PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE.

 

INFORMAÇÃO TÉCNICA:
COMBIRON na forma de drágea contém 400 mg de sulfato ferroso equivalente
a 120 mg de ferro elementar; em cada 10 ml da solução oral contém
260 mg de sulfato ferroso equivalente a 52 mg de ferro elementar e em
cada ml, da solução oral (gotas), contém 125 mg de sulfato ferroso equivalente
a 25 mg de ferro elementar.
O objetivo terapêutico fundamental de COMBIRON é o de proporcionar
ferro, que é um mineral essencial ao organismo e indispensável à
constituição da hemoglobina, mioglobina e enzimas, tais como xantino-oxidase,
citocromoxidase e outras, em forma facilmente assimilável e em
quantidade suficiente para corrigir a anemia ferropriva e restabelecer os
índices normais de armazenamento de ferro corporal.
A ferritina é a proteína de reserva de ferro. A troca interna de ferro é feita
através da transferrina. O fluxo de ferro através do plasma resulta em um
total de 30 a 40 mg/dia, ou seja, 0,46 mg/kg que se encontra nesta transferrina.
A medula óssea é capaz de extrair 85% de ferro dos 5% do fluxo
sanguíneo circulante para iniciar o processo de novos eritrócitos, que dura
aproximadamente 120 dias antes de serem catabolizados pelo
reticuloendotélio. Neste momento, uma parte é absorvida na circulação
sanguínea e outra vai para reserva, sendo liberada lentamente. A
absorção do ferro ocorre no intestino delgado, particularmente no duodeno,
sob duas formas: sob a forma inorgânica ou sob a forma de heme na
mucosa. A absorção média diária do homem é em torno de 1,0 mg/dia e
na mulher 1,4 mg/dia. O aumento da capacidade de absorção de ferro só
ocorre quando as reservas se encontram diminuídas, a eritropoese
aumentada ou quando há deficiência de ferro. A associação do ferro com
ácido ascórbico aumenta sua absorção gastrintestinal em aproximadamente
30%. A ingestão de 105 e 195 mg/dia de ferro elementar corresponde
a uma absorção aproximadamente de 24 e 18%, respectivamente, determinando
uma absorção estimada de 25 e 35 mg/dia.
A dose terapêutica usual de ferro resulta num aumento de 0,15 a 0,25 g
de hemoglobina/dl/dia.
O ácido ascórbico administrado oralmente aumenta a absorção do ferro
em aproximadamente 30%, devido à capacidade de prevenir a oxidação
dos sais ferrosos, além de suprir estados deficitários de ácido ascórbico,
geralmente presentes em casos de anemia. O ácido ascórbico também
participa de outras reações como, principalmente, na conversão de prolina
e lisina em hidroxiprolina e hidroxilisina, responsáveis pela síntese do
colágeno. Participa da conversão do ácido fólico em ácido folínico e na
hidroxilação de dopamina em norepinefrina. A absorção do ácido ascórbico
ocorre no intestino e sua distribuição para as células é através do
plasma. Sua eliminação é por via urinária.
As vitaminas do complexo B são essenciais para o metabolismo de carboidratos
e proteínas.
A tiamina (vitamina B hidrossolúvel) tem como metabólito ativo o pirofosfato
de tiamina, que age no metabolismo dos carboidratos como coenzima na
descarboxilação dos alfacetoácidos, como piruvato e alfa-cetoglutarato e na
utilização da pentose no desvio das hexoses monofosfato. Sua necessidade
está relacionada com a velocidade metabólica e é aumentada quando o carboidrato
é a fonte de energia. Sua absorção gastrintestinal é dependente de
transporte ativo, podendo ser por difusão passiva em grandes concentrações.
Quando a capacidade de absorção é saturada, o excesso é eliminado
pela urina.
A piridoxina (vitamina B6) tem um nível máximo de absorção sérico, após
ingestão oral, em torno de uma hora. Exerce papel de coenzima no
metabolismo para transformações metabólicas dos aminoácidos e participa
de algumas etapas do metabolismo do triptofano. Sua absorção ocorre
na porção jejunal do trato gastrintestinal. Possui meia-vida de aproximadamente
15 a 20 dias. Sua excreção é de aproximadamente 35 a 63%
pela via urinária.
A riboflavina é vital no metabolismo como coenzima para flavoproteínas
respiratórias. Sua absorção é intestinal. A riboflavina é convertida em flavina
mononucleotídeo através da enzima flavoquinase e, posteriormente,
em adenina dinucleotídeo flavina, sendo que estas duas formas são ativas.
O excedente da riboflavina que não foi absorvido, é eliminado intacto
pela urina e também pelas bactérias intestinais.
A cianocobalamina (vitamina B12) é essencial para o crescimento e replicação
das células e manutenção de uma mielina normal em todo o sistema
nervoso central, através das suas coenzimas ativas metilcobalamina e 5-
desoxiadenosilcobalamina. A metilcobalamina é necessária para a formação
da metionina a partir da homocisteína. Quando as concentrações da
vitamina B12 são inadequadas, o folato fica retido como metiltetraidrofola-
to, causando uma deficiência funcional de outras formas vitais intracelulares
do ácido fólico, determinando anormalidades hematológicas observadas
nos pacientes com deficiência de vitamina B12. A cianocobalamina
é absorvida no tubo digestivo, graças ao fator gástrico intrínseco que
atinge a região ileal, onde através de transporte ativo, penetra na circulação.
Participa do metabolismo dos lipídeos e dos carboidratos. Seu
reservatório é o figado, levado pela transcobalamina II. Sua eliminação
principal é renal, em torno de 50 a 98%.
A nicotinamida é um metabólito da niacina, vital para uma ampla variedade
de reações metabólicas, como a reação de oxidação-redução, essencial
para a respiração tissular. Sua absorção ocorre em todas as porções do
trato intestinal, sendo distribuída para todos os tecidos. A nicotinamida é
excretada pela via urinária.
O ácido pantotênico participa de reações enzimáticas importantes no metabolismo
oxidativo dos carboidratos, glicogenólise, síntese e degradação
dos ácidos graxos e síntese dos esteróides, hormônios esteróides e porfirinas.
A necessidade diária para o ser humano é de aproximadamente 4
a 7 mg/dia. Sua absorção ocorre no trato gastrintestinal. Não é metabolizado
no ser humano, desde que a absorção e a excreção sejam aproximadamente
iguais. Cerca de 70% do ácido pantotênico absorvido é eliminado
pela urina. Por ser a coenzima A, funciona como um cofator para uma
variedade de reações de catalização por enzimas, envolvendo transferência
dos grupos acetil.
O pantotenato de cálcio é prontamente absorvido pelo trato gastrintestinal
e distribuído em todos os tecidos do corpo.
As vitaminas do complexo B são absorvidas pelo processo de transporte
ativo. São rapidamente eliminadas e não são armazenadas no organismo.
O ácido fólico é convertido em metiltetrahidrofolato, após absorção no tubo
gastrintestinal, sendo posteriormente metabolizado no fígado. Sua
excreção é de aproximadamente 30% pela via urinária. Tem uma função
específica no metabolismo intracelular, onde converte homocisteína em
metionina e serina em glicina. Participa da síntese de timidilato, que é
etapa limitante na síntese do DNA; do metabolismo da histidina, que age
na conversão para o ácido glutâmico e da síntese das purinas. Sua
absorção ocorre no duodeno e parte superior do jejuno, através de uma
enzima na forma ativa de folato reduzido, possuindo uma reabsorção no
ciclo entero-hepático.

 

Indicações:
No tratamento das anemias ferroprivas.

 

Contra-indicações:
COMBIRON É CONTRA-INDICADO EM PACIENTES QUE APRESENTEM
HIPERSENSIBILIDADE A QUAISQUER DOS COMPONENTES DE
SUA FÓRMULA.
NÃO DEVE SER UTILIZADO EM PACIENTES QUE APRESENTEM ANEMIA
PERNICIOSA OU MEGALOBLÁSTICA.

 

Precauções e advertências:
COMO OUTRAS PREPARAÇÕES ORAIS DE FERRO, COMBIRON
DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS PARA EVITAR
SUPERDOSAGEM ACIDENTAL POR FERRO.
O ÁCIDO ASCÓRBICO PODE PROPORCIONAR UM AUMENTO DA
FORMAÇÃO DE CRISTAIS URINÁRIOS. PORTANTO, OS PACIENTES
COM DEFICIÊNCIA DE FILTRAGEM RENAL DEVERÃO SER ORIENTADOS
PARA QUE EVITEM UMA POSSÍVEL NEFROLITÍASE.
O ÁCIDO ASCÓRBICO FOI ASSOCIADO À HEMÓLISE EM PESSOAS
COM DEFICIÊNCIA DE GLICOSE-6-FOSFATO DESIDROGENASE.
PODE OCORRER AUMENTO DOS NÍVEIS GLICÊMICOS EM TRATAMENTOS
PROLONGADOS E EM ALTAS DOSES.
A RIBOFLAVINA DEVERÁ SER ADMINISTRADA CAUTELOSAMENTE,
PRINCIPALMENTE SE ASSOCIADA À PIRIDOXINA.
A CIANOCOBALAMINA PODERÁ MASCARAR A DEFICIÊNCIA DE
ÁCIDO FÓLICO. RECOMENDA-SE CAUTELA NA PRESCRIÇÃO DA
NICOTINAMIDA EM PACIENTES PORTADORES DE ÚLCERA PÉPTICA E
DOENÇAS HEPÁTICAS E PRECAUÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO DE ÁCIDO
FÓLICO, POIS PODE MASCARAR A DEFICIÊNCIA DE VITAMINA B12.
CAUTELA E CONTROLE NA ADMINISTRAÇÃO DE COMBIRON EM PACIENTES
PORTADORES DE DIABETIS MELLITUS SÃO RECOMENDADOS.

 

COMBIRON DRÁGEAS E SOLUÇÃO ORAL – ATENÇÃO DIABÉTICOS:
CONTÉM AÇÚCAR.

 

Interações medicamentosas:
O ácido ascórbico pode proporcionar uma maior absorção de alumínio,
componente presente nos antiácidos, determinando aumento dos níveis
sanguíneos do mesmo.
O ácido ascórbico poderá ter sua absorção diminuída quando administrado
concomitantemente com ácido acetilsalicílico.
A piridoxina aumenta o metabolismo da levodopa, aumentando os níveis
de dopamina em pacientes com doença de Parkinson.
A absorção da cianocobalamina é diminuída quando a mesma é administrada
concomitantemente com cimetidina e outros inibidores de H2 por
similaridade.
A nicotinamida eleva os níveis da carbamazepina, causando moderado
efeito neurológico, tais como: ataxia, nistagmo e diplopia e/ou vômitos.
A nicotinamida associada ao ácido acetilsalicílico pode desencadear
“rash” cutâneo e eritema facial.
O sulfato ferroso quando administrado concomitantemente com tetraciclina,
diminui a ação da tetraciclina.
A administração concomitante com antiácidos pode causar diminuição da
absorção do ferro.

 

Reações adversas:
PACIENTES MAIS SENSÍVEIS QUANDO SUBMETIDOS AO TRATAMENTO
COM SAIS DE FERRO PODEM, OCASIONALMENTE APRESENTAR
DISTÚRBIOS GASTRINTESTINAIS, TAIS COMO: NÁUSEAS, VÔMITOS,
DIARRÉIAS, DORES ABDOMINAIS, ÚLCERA PÉPTICA E/OU CONSTIPAÇÃO
INTESTINAL. NESSES PACIENTES, A REDUÇÃO DA DOSE
DIÁRIA OU A ADMINISTRAÇÃO IMEDIATAMENTE APÓS AS
REFEIÇÕES MINIMIZA ESSES POSSÍVEIS EFEITOS.
REAÇÕES ALÉRGICAS TEM SIDO RARAMENTE REPORTADAS APÓS
O USO ORAL DO ÁCIDO FÓLICO.
MANIFESTAÇÕES DO TIPO SENSAÇÃO DE CALOR E RUBOR NA
FACE PODEM OCORRER EM PERCENTUAIS BASTANTE REDUZIDOS
DEVIDO À NICOTINAMIDA.
MANIFESTAÇÕES DERMATOLÓGICAS COMO “RASH” CUTÂNEO, URTICÁRIA,
PRURIDO GENERALIZADO E/OU HIPERQUERATOSE
PODEM OCORRER DURANTE O TRATAMENTO.
PODEM SER OBSERVADAS REAÇÕES RENAIS COMO DESCOLORAÇÃO
DA URINA E/OU LITÍASE RENAL.
PODEM OCORRER MANIFESTAÇÕES NEUROLÓGICAS COMO SONOLÊNCIA,
IRRITABILIDADE, DISTÚRBIOS DE COMPORTAMENTO, HIPOTONIA
E/OU NEUROPATIA SENSORIAL PERIFÉRICA.
REAÇÕES HEPÁTICAS COMO HEPATOTOXICIDADE PODEM OCORRER.
PODEM SER OBSERVADAS REAÇÕES HEMATOLÓGICAS COMO ELEVAÇÃO
DOS NÍVEIS DE FOSFATASE ALCALINA, GLICOSE E ÁCIDO ÚRICO.
MANIFESTAÇÕES RESPIRATÓRIAS DO TIPO BRONCOESPASMO PODEM
OCORRER DURANTE O TRATAMENTO.

 

Posologia:
COMBIRON drágeas
Adultos: uma drágea, duas vezes ao dia, tomada às refeições ou a critério
médico.
COMBIRON solução oral
Adultos: um copo-medida (10 ml), duas vezes ao dia, de preferência logo
após as refeições.
Crianças: 1/2 copo-medida (5 ml), duas vezes ao dia, de preferência logo
após as refeições.
COMBIRON solução oral (gotas)
Crianças menores de 15 Kg: 4 a 6 mg/kg/dia de ferro elementar, divididos
em duas tomadas, equivalentes a aproximadamente 1 a 2 ml (20 a 40
gotas) ao dia.

 

Conduta na superdosagem:
No caso de superdosagem acidental, deve ser administrado um emético,
o mais rápido possível, seguido de lavagem gástrica, se necessário.
Podem ser empregados agentes quelantes e são preconizadas medidas
gerais de suporte visando combater desidratação, acidose e o choque.

 

Pacientes idosos:
As mesmas orientações dadas aos adultos devem ser seguidas para os
pacientes idosos, observando-se as recomendações específicas para grupos
de pacientes descritos nos itens “Precauções e Advertências” e
“Contra-indicações”.

 

MS – 1.0573.0010
Farmacêutico Responsável: Dr.Wilson R. Farias CRF-SP nº 9555
Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Via Dutra, km 222,2 – Guarulhos – SP
CNPJ 60.659.463/0001-91 – Indústria Brasileira
Número do lote, data de fabricação e prazo de validade: vide embalagem
externa
COMBIRON drágeas e solução oral: VENDA
SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
COMBIRON solução oral (gotas): SIGA CORRETAMENTE
O MODO DE USAR; NÃO DESAPARECENDO
OS SINTOMAS, PROCURE
ORIENTAÇÃO MÉDICA.
IMPRESSÃO: PRETO
PH 745 – BU 11 – CPD 2436903(A) 03/07
bu combiron 2436903 12.04.07 16:26 Page 2